O que esperar do mercado imobiliário em 2020

O ano de 2020 promete uma nova perspectiva para o mercado imobiliário. E já podemos adiantar: é uma perspectiva positiva! Fatores como a recuperação econômica, os indicadores em ascensão e as tendências inovadoras revelam um ano de muito fomento imobiliário. 

Para você estar pronto para o que vem por aí, preparamos esse artigo relembrando pontos econômicos do contexto imobiliário e o que pode esperar de 2020. Confira:

Uma breve retrospectiva: crise afeta o mercado imobiliário 

Para entender o presente e o futuro, é preciso olhar o passado. Na última década, o cenário brasileiro começou financeiramente bem: especificamente entre os anos de 2008 até meados de 2014, houve um crescimento econômico que fortaleceu o mercado e valorizou os imóveis, disparando os preços praticados.

Porém, sem um desenvolvimento consistente do cenário econômico somado aos reflexos de uma recessão mundial que chegou tardiamente ao país, a década encerrou de forma bastante caótica. Naturalmente, o mercado imobiliário foi um dos primeiros impactados. 

Entre 2013 e 2014, então, os bancos iniciaram uma forte restrição de crédito cortando os financiamentos pela metade. O resultado foi uma certa estagnação imobiliária, apesar das medidas de reação e reinvenção que organicamente foram surgindo.  

2018 e 2019 mostraram sinais de recuperação

Finalmente nestes últimos dois anos (2018/2019) foi possível perceber uma recuperação no cenário econômico e, consequentemente, em indicadores-chave dos setores da construção civil e imobiliário:

  • o setor da construção civil movimentou R$ 57,7 bilhões em 2018, um crescimento de 33% em comparação ao ano anterior (2017) segundo dados do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE);
  • somente na região em São Paulo houve um aumento de 26,7% na oferta de imóveis recém construído segundo o Sindicato da Habitação (Secovi-SP); 
  • ainda segundo o Sindicato de Habitação, houve uma forte fomentação do mercado. Entre junho de 2018 e maio de 2019 foi batido o recorde de vendas acumuladas de unidades residenciais: foram mais de 32,6 mil unidades, um aumento de 19,4% em relação ao período anterior.

O que esperar do mercado imobiliário em 2020: 7 tendências

Já em 2019, os números revelam um futuro positivo para o mercado imobiliário. A partir deles, da conjuntura econômica e contexto cultural é possível mapear algumas tendências para esse ano que permitem maior confiança. Confira:

1 – Investimento em fundos imobiliários aumentam

Segundo levantamento da Infomoney, os números da Economatica revelam um rendimento dos fundos imobiliários que indicam potencial preferência diante de investidores em 2020.

Enquanto o CDI teve variação acumulada de 6,35% até junho de 2019, os fundos imobiliários acumularam alta de 8% no rendimento médio dos dividendos no mesmo período. 

Além desse referencial extremamente positivo, os benefícios da isenção de Imposto de Renda sobre os dividendos distribuídos, e da renda periódica ao cotista (a categoria de investimento de fundo imobiliários distribui 95% dos resultados semestrais) são suficientes para reter a atenção dos investidores esse ano. 

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO: COMO FUNCIONA E VANTAGENS DESSA TENDÊNCIA

2 – Cenário estimula a compra de imóveis e favorece corretores e imobiliárias

A queda histórica da taxa Selic em 2019 impacta diretamente a oferta de crédito imobiliário, que tende a aumentar em 2020. Com a inflação controlada esse ano, dentro da meta, o consumidor vai ter maior poder aquisitivo e um maior grau de confiança para a compra do seu imóvel. 

Com a economia ainda em ascensão, a previsão é os bancos mantenham a competitividade para a melhor oferta de financiamento em 2020. Nesse movimento, não só os consumidores são beneficiados, mas os agentes imobiliários envolvidos nas transações também. 

3 – Incorporadoras retomam os lançamentos

Com a venda das unidades de imóveis em estoque – que foi resultado do período de estagnação do mercado – a tendência é a reposição da oferta pelas incorporadoras. Já em 2019, um estudo feito pela Câmara Brasileira de Indústria da Construção (CBIC), o número de lançamentos de imóveis subiu 11% e as vendas 16%. Em 2020, as incorporadoras irão retomar o ritmo mais intenso de novos projetos e lançamentos! 

4 – Apartamentos compactos ganham preferência

O cenário econômico favorável de 2020 aquece o mercado que, por sua vez, leva jovens solteiros e casados sem filhos, às metrópoles, onde os micro apartamentos (até 40 m²) tem maior concentração. Ao passo que a demanda é alta, a oferta também: o Grupo Zap calcula que até 2019 foram lançadas mais de 55 mil unidades desta categoria de imóveis. 

Vale pontuar que, diante desse contexto, esse nicho inclusive chama a atenção de investidores! 

5 – Sustentabilidade e tecnologia são pilares das edificações modernas

As construções modernas obrigatoriamente estão passando por esses pilares para atender à demanda cultural e do próprio mercado imobiliário. Condomínios que adotaram a biometria nas portarias e câmeras controladas via smartphones são bons exemplos desse movimento. 

Mesmo que ainda em ritmo tímido, o reuso da água e controles inteligentes de energia, com painéis solares para complementar parte do consumo, tendem a diminuir os gastos dos condomínios. Um terceiro exemplo ainda é demanda futura de garagens para carros elétricos ou híbridos, que vêm ganhando espaço no segmento de consumo de luxo. 

Neste sentido, os condomínios e residências inteligentes e conectados terão participatividade aumentada ainda que gradualmente a partir de 2020.

A BUSCA POR SUSTENTABILIDADE NA COMPRA DE UM IMÓVEL

6 – Empreendimentos mistos: residencial + comercial

Outra tendência voltada para o novo modelo de vida urbana são os empreendimentos que combinam utilidade comercial e residencial. Nos últimos anos, os coworkings ganharam força e estimularam um novo estilo de vida profissional. E os reflexos chegaram setor da construção e no mercado imobiliário. 

Em São Paulo e região já são mais de 50 prédios com espaços colaborativos de trabalho. O uso desses ambientes pode tanto ser cobrado à parte como incluso em uma taxa mensal. Além de atender à demanda cultural, é uma oportunidade econômica para o setor.

7 – Tecnologia e parceria para fortalecer o mercado imobiliário em 2020 

É primordial você, como corretor, imobiliária ou incorporada acompanhar a evolução do mercado. Mas mais do que isso: fazer parte do fortalecimento dele. O trabalho em rede já vem sendo uma tendência presente, não é de agora. 

A cultura da colaboratividade somada à tecnologia tem gerado ferramentas e oportunidade únicas para aumentar as vendas, encurtar o tempo de fechamento de negócios e ainda beneficiar todo o mercado ao passo que você mesmo avança. O aplicativo Beemob vem muito de encontro com essa veia tecnológica do consumidor e ao mesmo tempo cultura colaborativa! 

Conectar os profissionais do mercado imobiliário para formarem parcerias estratégicas para a prosperidade nas vendas; aumentar a agilidade do corretor em encontrar o imóvel ideal e atender o cliente; ajudar imobiliárias a acompanharem melhor sua equipe de corretores… Essas são só algumas das vantagens do app. 

Saiba como você pode fortalecer o mercado imobiliário: Revolucionar ou evoluir? Como fortalecer o mercado imobiliário? 

Agora você já sabe o que esperar de 2020! Nesse novo ano, conte com a Beemob para se manter informado aqui em nosso blog e com funcionalidades exclusivas através do nosso app.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *